busto_02

panoramica_01

 

 

 

auditório_07 biblioteca_06 memorial

mesa_03

Histórico da Fundação

“Em maio de 1982, Orlando Gomes recebeu em Coimbra o título de Doutor “Honoris Causa” da milenar Universidade Portuguesa, uma das homenagens mais bonitas e importantes que recebeu. Um reconhecimento além fronteiras e a consagração de uma vida dedicada ao estudo e ao ensino, vivida propositadamente, com orgulho e amor, em uma província, a sua província da Bahia.

Naquela oportunidade, lá em Coimbra, morre um de seus amigos queridos, fato de que só tomou conhecimento posteriormente e que o abalou intimamente. Este fato, somado à delicada operação a que se submeteu, em setembro de 1982, deve ter repercutido no homem sábio e sensível, fazendo-o pensar na proximidade da morte. Credito a estes dois fatos a iniciativa que teve, já em dezembro deste mesmo ano, de criar a Fundação Orlando Gomes. Não com o objetivo narcísico de perpetuação de seu nome, porque disso já não precisava, mas com o objetivo altruístico de franquear aos estudiosos do Direito sua vasta e rica biblioteca com livros raros e anotações pessoais de grande valia.

Assim é que, em 21 de dezembro de 1982, Orlando Gomes ingressou na Procuradoria Geral de Justiça com pedido de aprovação dos estatutos da Fundação Orlando Gomes, que tinha como finalidade “organizar para o público em geral e particularmente para os estudantes e professores de Direito, advogados e juízes, uma biblioteca de livros predominantemente jurídicos, mantê-la atualizada e facilitar a pesquisa nas suas obras e revistas de serviço adequado”.

Aberta ao público em janeiro de 1983, em sala própria, num Apart Hotel localizado ao lado da Faculdade de Direito, a Fundação aí funcionou enquanto Orlando Gomes conosco conviveu, com a finalidade específica de manter uma biblioteca, mas sem contar ainda, com parte de seus livros, que conservou em casa para o trabalho diário que praticou com lucidez e proveito até a tarde do dia 28 de julho de 1988, quando, por volta das quinze horas, já de saída para o escritório, sentiu-se mal e foi internado; pouco depois da meia noite morreu, mas sem o sofrimento e a agonia, hipóteses que tanto preocupavam a ele e a nós, seus filhos.

Sob a liderança de Marcelo Gomes, que assumiu a Presidência da Fundação por disposição estatutária, mas com uma obstinação, determinação e responsabilidade que só o amor filial produz, seus filhos ampliaram os objetivos da Fundação deram-lhe a dimensão que merecia, inclusive uma nova sede construída com a ajuda de amigos e admiradores, inaugurada em 6 de dezembro de 1991”.

Márcio Gomes, advogado, Conselheiro da Fundação Orlando Gomes

In “Fundação Orlando Gomes, Retrospectiva Histórica: Origens, Finalidades e Realizações”. – Belo Horizonte: Nova Alvorada Edições Ltda., 1998.

Notícias  

Depoimentos  

  • O perfil que do Mestre Orlando Gomes se pretenda fazer, sob qualquer ângulo de sua vida, haverá de começar, necessariamente, pelo magistério, sua fonte inspiradora, força matriz e motriz criadora e propulsora desses sentimentos superiores de amor ao direito e de culto à liberdade.